Avançar para o conteúdo principal

Professor único até ao 6º ano chega em 2016


O Ensino Primário de quatro anos pode ter os dias contados, com a possível introdução do professor único do 1.º ao 6.º ano, em cinco áreas-chave: Língua Portuguesa, Matemática, Ciências da Natureza, História e Geografia.

A ideia do Governo é “colar o aluno a professor”, de modo a minimizar o choque da passagem da primária para o 2.º Ciclo. No limite, admite o assessor do Ministério da Educação (ME), será passar para seis anos o Ensino Primário. Mas a ‘revolução’ no Ensino Básico só deverá começar a surtir efeitos daqui a nove anos. Isto se o Governo da altura quiser.

O novo regime de habilitações para a docência, aprovado pelo Conselho de Ministros no final de Dezembro e que está a aguardar a promulgação do Presidente Cavaco Silva, prevê que os professores possam optar por diferentes tipos de formação: pré-escolar e 1.º Ciclo ou 1.º e 2.º ciclos. Ou seja, lá para 2012, quando saírem das universidades as primeiras centenas de professores com mestrado, as escolas primárias vão receber docentes com habilitações para dar aulas no 5.º e 6.º anos, tal como os jardins-de-infância vão ter professores que poderão ministrar também o 1.º Ciclo. A imagem de professor-tutor (ou professor-principal, professor-central ou professor-único, como for decidido chamar) durante seis anos – e não quatro, como acontece agora – poderá ser uma realidade a partir de 2016, quando estas turmas chegarem ao 4.º ano.

Desta forma, os alunos poderão encontrar no 5.º ano não dez professores, como actualmente, mas metade – além do professor da primária, juntam-se os professores de Educação Física, Educação Visual e Tecnológica e Educação Artística.

“A medida cria a possibilidade, mas não muda o sistema. O que importa é que o Governo da altura tenha ao dispor um ‘stock’ de professores, se quiser arrancar com alterações legislativas para acabar com a descontinuidade educativa.” A mesma fonte garante que não haverá despedimentos de docentes com estas alterações. Pelo menos, nos próximos nove anos. “Eventualmente, se houver, será só quando as turmas destes professores chegarem ao 5.º ano”, adianta.

Um alargamento do ensino primário para seis anos poderá implicar mudanças de fundo – a começar pela organização das escolas, pois teria de se juntar os 1.º e 2.º ciclos no mesmo espaço. “Os professores terão a mesma carga horária, mas menos turmas”, explica o mesmo assessor.

O secretário de Estado da Educação, Valter Lemos, assinalou que Portugal “é o único país da Europa que tem dez professores no 2.º Ciclo”, pelo que o Governo sentiu “necessidade de alterar a organização, evoluindo para um sistema mais próximo dos outros países”.

Maria José Viseu, presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais, considera que a proposta do Governo “é uma mudança muito radical”. A dirigente assinala não ser possível “comparar com outros países. Enquanto os finlandeses andam a discutir política educativa, em Portugal continuamos preocupados com as crianças que ainda passam frio na escola. Estamos a falar de realidades completamente diferentes”.

Comentários

Anónimo disse…
Em 2016? Bem, Portugal não somente tem mais de 20 anos de atraso em relação a muitos países da Europa, mas também não é garantido o sucesso dessa resolução. Esse metodo de ensino tem tido sucesso em outros países, mas isso exige o empenho tanto dos alunos como dos professores. Todos os anos o sistema de ensino português muda, envia os professores de uma ponta para a outra do país, quem gostaria de ser professor em Portugal? Ainda faltam 9 anos até isso acontecer, em 9 anos os outros países também avançam, enfim, mais vale tarde que nunca.

Mensagens populares deste blogue

Saber número de eleitor e local de voto por SMS
Documentos necessários para votar?

Aproximam-se as eleições e com o novo cartão do cidadão a substituir o Bilhete de Identidade, o seu local de voto é alterado de acordo com o seu local de residência. Surge então a dúvida. Onde votar? Qual é o meu local de voto?

Alem disso quais os documentos necessários para se poder votar?

Qual o meu número de eleitor?

As novas tecnologias e sistemas informáticos permitem saber através de SMS, o seu local de voto e o seu número de eleitor.

Para tal basta enviar uma SMS para o número 3838 com o texto "RE (nº de BI) (data de nascimento) no formato AAAAMMDD, exemplo: RE 1444880 19531007"

A resposta terá o local de voto e o número de eleitor, que são suficientes para poderes votar.

Documentos necessários para poder votar?
O seu Bilhete de Identidade/Cartão do Cidadão e saber o seu número de eleitor.




Outras questões relativamente ao Recenseamento Eleitoral:

Quando mudo de residência, o que devo fazer para transferir para a minha inscrição no Recenseamento Eleitoral?
Solicitar e p…

Desconto de 6 cêntimos no combustível da Repsol - Cartão Banco Montepio

Através da parceria celebrada com a REPSOL, os Donos dos Banco, ou seja os Associados do Montepio Geral- Associação Mutualista têm agora uma vantagem adicional: um desconto de 6 cêntimos por litro no abastecimento de combustíveis na Rede de Estações de Serviços Repsol aderentes em Portugal Continental e Madeira. O desconto é imediato, basta apresentar o Cartão Montepio Repsol.
O valor do desconto é de 6 cêntimos de euro, por litro, sobre o PVP afixado no posto, é imediatamente deduzido ao valor do abastecimento e constará do recibo emitido.
Para mais informações, consulte aqui as condições e como aderir ou dirija-se a um balcão do banco Montepio ou posto de abastecimento da Repsol.